Top 7,5: Aberturas de seriados

Não é “tóptêin” nem “tópfaive”, optamos pelo meio termo justo. Sete “tops” e mais um bônus, o nosso 1/2. O tema sempre varia, o número nunca muda. Bem-vindo.

 
Na descrição do autor, lá embaixo, estão escritas as palavras “música” e “seriados”, seguidas da frase “nem sempre nessa ordem”. Bom, esta é uma ocasião em que a ordem não importa nem um pouco. Adoro as aberturas e dedico tanta atenção para a trilha sonora de tudo que assisto quanto para o seriado em si. Curtam aí (ou não) meus preferidos no gênero “aberturas de seriados“.

7. Smallville

A última posição da lista (apesar de aparecer primeiro, rá!) é um seriado que na minha opinião sempre foi desnecessário, uma versão super-poderosa de Malhação, talvez. Confesso, assisti uma ou duas temporadas de Smallville quando passava na TV aberta – SBT, se não me engano – e era uma forçada de amizade atrás da outra, qualquer um que aprecie o Homem de Aço não suporta por muito tempo. A música tema “Save Me” é bem legal, da banda Remy Zero, uma daquelas bandas-de-uma-música-só por aqui.

Ganha alguns pontos pelo vocalista ser tão a cara do Lex Luthor.

 

6. Married With Children

Married With Children deixou de ser exibida em 1997 e teve, durante suas 10 temporadas, como tema a música “Love and Marriage”, do mestre Yoda do garbo e da elegância, Frank Sinatra. A série é a grande precursora de toda e qualquer sitcom familiar – ou achava que “Modern Family” veio assim, do nada? – e até hoje é exibida em reprises. É tipo o Chaves dos EUA.

Meu pai fazia a mesma cara antes de me dar algum QUALQUER dinheiro.

 

5. The Big Bang Theory

O tema de The Big Bang Theory, escrito e gravado pela banda Barenaked Ladies (numa tradução tosca: Senhoritas Nuas em Pêlo), canta a evolução da vida na Terra desde a grande explosão. Não costumo gostar de músicas com os temas explícitos assim para seriados, mas essa casou bem. Duvido que alguém aqui não conheça a série, que hoje está em sua quinta temporada, mas caso eu esteja enganado podem imaginar Friends numa versão estrelada por NERDS. É bem por aí.

O vídeo da direita é uma chamada com a versão integral da música tema, “desenharam” pra gente entender.

 

4. The Office UK

Um clássico dos anos 60 é usado na abertura da série original criada pelo humorista Ricky Gervais – um dos meus preferidos de todos os tempos. A música Handbags & Gladrags ficou famosa no início dos anos 70 na voz de Rod Stewart. O seriado foi, pelo que sei, um dos primeiros do gênero “todos sabem que estão filmando” e apesar do tema deste bendito blog ser a música, não tem trilha sonora nenhuma. Mas ele nem precisa.

Esta versão garantiu Stereophonics nas minhas playlists por bastante tempo.

 

3. True Blood

True Blood não está na minha lista de séries favoritas, nem das que eu me importo em ver se estiver passando na TV e eu estiver de bobeira, mas tem uma das aberturas mais legais que eu já vi. A música tema é do cantor country Jace Everett, chamada “Bad Things“, e dá um climão muito legal e promissor, buuut… música boa e abertura bem feita não fazem seriado.

Para ajudar você, o pessoal de Family Guy tem opinião formada a respeido da série: aqui, aqui e aqui.

 

2. Dexter

Dexter é um serial killer, (aparentemente) sem emoções e sentimentos por ninguém, que trabalha como analista de sangue no departamento de polícia e mata bandidos nas horas vagas. Como transportar esse complicado personagem para a abertura do seriado? Em um café da manhã nutritivo e cheio de duplo sentido, com um belo arranjo instrumental, claro! A música é perfeita.

Cover instrumental absurdo, tem mais no canal do cidadão.

 

1. Seinfeld

Seinfeld é foda. Seinfeld é MUITO foda.
A série criada e escrita pelo humorista Jerry Seinfeld (ele fica logo acima do Ricky Gervais, no topo da minha lista de preferidos), foi o primeiro show a autodefinir-se como sendo “sobre nada”. Durante as 9 sensacionais temporadas, a linha de baixo utilizada como tema principal e nas transições de cenas é reutilizada, reestilizada e adaptada, sempre de maneira impecável. Por exemplo, no episódio “The Betrayal”, que se passa na Índia, pode-se ouvir o tema tocado em uma cítara. Não consigo imaginar Seinfeld sem o baixo, nem o baixo sem o Seinfeld.

Queria muito ser baixista das trilhas do Seinfeld.


 

1/2. Lost

O bônus da lista não é uma abertura, mas como é bônus tá valendo (a série mesmo quase não tinha abertura, mas era de arrepiar). A música é o clássico instantâneo da banda (fictícia) do baixista Charlie, de Lost. Com vocês, Drive Shaft!

A banda que o Oasis gostaria de ter sido =) You All Everybody!

 

[author_infos title=][/author_infos]

Loroza Records #1 Zooey Deschanel

No Google, a busca “Ator e Cantor” traz como primeiro link o site de Serjão Loroza. É ex-vocalista do Monobloco e hoje tem banda própria, mas você deve se lembrar dele em alguma novela ou minissérie da Rede Globo. Boa praça, carismático e talentoso, ele é o ícone a representar esta seção, onde vamos apresentar alguns atores, atrizes e celebs que também são músicos.

 

Como quero trazer boa sorte pra cá, vou começar com o sonho de consumo de milhões de marmanjos nerds e hipsters mundo afora: Zooey Deschanel.
She & Him
“She” é mais conhecida por aqui pelas comédias românticas 500 Dias Com Ela (500 Days of Summer) e Sim Senhor (Yes Man), onde atua ao lado de Joseph Gordon-Levitt e Jim Carrey, respectivamente. Seu papel clássico é de mulher-perfeita-que-eu-quero-pra-mim, mas ela é bem mais do que a bela atriz que eu gostaria de namorar.

O guitarrista e produtor M. Ward (“Him”) ouviu algumas demos de composições próprias da atriz e sugeriu que juntos eles gravassem a coisa de acordo e este foi, basicamente, o modo como nasceu a dupla de música indie/folk She & Him.

Se vocês são espertalhões como eu sei que são, deram play no vídeo acima e já estão familiarizados com o som da dupla. Essa é a principal atividade musical da atriz e eles tem até agora dois álbuns de inéditas, na maioria compostas pela Zooey e produzidas pelo Matt. Os álbuns se chamam Volume One (2008) e Volume Two (2010), simples assim, como deve ser.

Além da She & Him, a Zooey (ah… Zooey) já soltou o vozeirão em alguns filmes (procure por “Elf” e “O Assassinato de Jesse James blablabla…“) e também faz vídeos aleatórios desejando feliz ano novo com o amigo Joseph, que aliás é também um excelente músico. Assunto para um outro post.

Beijo, tchau.

 

[author_infos][/author_infos]

Vá ao Lollapalooza sem ouvir as bandas que não conhece

Não ouça as bandas que não conhece antes de ir ao Lollapalooza. Simplesmente não ouça.

Se você comprou só pra ver o Foo Fighters no dia 7, sábado, então ouça muito Foo Fighters. Ouça os álbuns antigos, relembre os sucessos e dê risada com os clipes engraçadões como “Everlong”, “Breakout” e “Long road to ruin”. Escute o último Wasting Light (2011) imaginando como vai ser na hora em que a banda abrir com “Bridge Bruning”. Aprenda a letra e esteja preparado pra gritar o primeiro verso (“these are my favourites last words”) se Dave Grohl prefrir jogar para o público. Senão, tudo bem: cante junto e alto.

Decore as letras e até assista shows dessa turnê (digite “full concert no youtube, e um novo universo se abrirá). Descubra o que eles costumam fazer em determinadas músicas e já entre no clima de antemão. Faça isso também com o Jane’s Addiction – o Perry Farrel nem aguenta mais cantar mesmo. E também com o Artic Monkeys, headliner do dia 8, domingo. Assim, quando eles tocarem “I bet you look good on the dance floor” e o vocalista Alex Turner cantar “and your shoulders are frozen”, você vai poder responder “cold as the night”.

Dificilmente haverá alguém no Lollapalooza que não conheça essas bandas. Mas se você não conhece Cage the Elephant, Band of Horses e TV on the Radio, não escute-as com antecedência, como se pudesse abrir um catálogo e dizer “vejamos o que temos aqui”. Muito menos faça isso com bandas como Gogol Bordelo, MGMT e Foster the People. As chances de você ouvir cinco minutos de som, achar monótono e passar para a próxima são enormes. O que também pode acontecer, e que seria ainda pior, é arraigar um pré-julgamento que pode atrapalhar o show.

Dê a oportunidade a si próprio de vê-las pela primeira vez no palco, onde toda banda se mostra da forma mais verdadeira: sem loopings, transposição de vozes, equalizadores e efeitos artificiais extenuantes. No palco, eles fazem acontecer – ou pelo menos deveriam. Permita-se conhecê-las de forma mais intensa, com a vibe do público, do som ao vivo, dos erros de notas e da postura dos músicos. E entre no clima.

Saiba usar a expectativa. Pode ser que alguns shows sejam uma merda ou as bandas não sejam do seu gosto. Mas pelo menos vai poder dizer algo sobre elas muito além de “eu ouvi uma música lá, de um album e tal. E não gostei”. Mas se curtir,  vai ser como um tapa da cara, com aquela excitação de conhecer mais, ir atrás e achar aquela música com aquela parte em que o vocalista fez isso, o público cantou e o show veio abaixo.

Escute as bandas do Lollapalooza que não conhece na hora certa.

 

[author_infos title=][/author_infos]

Tudo sobre música aqui. #Not

 
O Não Toco Raul inicia hoje suas atividades. Formado por gente que, assim como você, adora música, o NTR é um ambiente para se trocar ideias, opiniões e divagar sobre qualquer coisa que emita mais de duas notas.

Aqui não estarão necessariamente as últimas notícias, novidades e lançamentos sobre seu artista predileto. Volte sempre que quiser ler uma boa história, assistir a um belo clipe e escutar algo de boa qualidade. Pode nos cobrar, xingar e enviar sugestões via comentários, twitter e fan page.

Se você é músico, produtor, fotógrafo, videomaker, publicitário, jornalista ou simplesmente teve uma baita sacada e quiser contribuir, nos contate.

No mais, aproveite.

 

[author_infos title=][/author_infos]